Voltar 

As fotos e os comentários que assinalo na presente página não são de modo algum para qualquer crítica ao elenco municipal, pelo contrário elogio a Câmara Municipal pelo desejo e interesse em tornar a medicina pública um luxo para o Concelho e exemplo para o País - desde já os meus parabéns ao Município de Sernancelhe
 

Cenas da Festa da Castanha


Num grande elenco festivo onde uma grande diversidade de pessoas e populações com modos próprios de comportamentos perante a sociedade, é importante, que além dum dispositivo de polícia em alerta e vigilância, haja também no terreno um dispositivo médico de urgência e emergência, pois qualquer excesso deste ou daquele, pode exigir uma intervenção médica ou de enfermagem em "Cuidados de Urgência".

Por outro lado uma unidade móvel de saúde num espaço tão repleto de gente em movimento, e bastantes vezes habituadas a excessos alimentares e hábitos alcoólicos, é possível por vezes com o profissional de saúde presente, ser possível sensibilizar o paciente para estilos saudáveis de vida.

No presente local e logo de imediato, também rastrear determinadas doenças com o caso do colesterol elevado ou os triglicerídeos, ou mesmo uma diabetes sem sintomas, não falando já da hipertensão arterial, doença tão silenciosa e principal responsável por doenças do coração e vasos.
 
Ora comecemos por uma vigilância ao pessoa que se está a divertir e por vezes em excessos:
O nosso Aníbal do Granjal, que por acaso é um belíssimo rapaz, toca a oferecer boa pinga ao pessoal únicamente do Granjal, e por racismo também aos do Benfica conforme consta no retrato que podemos observar em cima à direita. Desgraça e só desgraça, no momento em que fiz a reportagem e podem ver as garrafas, diz que já embebedou 10 indivíduos e um foi parar à unidade móvel de saúde. Enfim...  

Vergonha Sr. Isidro de Chosedo; Homem tão bem conceituado, quer-me enganar e à inocente família que está aí consigo, inclusive a sua esposa; é que por detrás da criança que está na foto à esquerda, a Camilinha, está uma pipa cheia de aguardente, que segundo eu soube levou o XicoCigano à unidade Móvel de Saúde em coma por o Senhor o ter emborrachado

Eis os "Todo o Poderoso", os famosos "Cucos Malandros": pessoal,  não é para nos gabar-mos, mas somos todos porreiraços e barulhentos; ora vejam a nossa actuação que é digna de se ver:
 
Podem ter a certeza, que com a sintonia estéreo dos nossos bombos e concertinas, fica bem gravado na vossa memória todos estes sons por muitas e muitas horas, mesmo durante o sono. Os gigantones que podem observar à direita estão a gerar polémica, visto que têm amedrontado muitas crianças, e com a altura que têm, conseguem ver a careca de todos.
De qualquer maneira estamos disponíveis para tocar em baptizados, jantares românticos, ou mesmo porque não, acompanhamento como música de fundo em discursos de altas individualidades ou políticos que nos mereçam imensa atenção.
A hora é a 50 Euros (sem recibo) e a marcação dos eventos e cenários é feita 24 horas por dia e pelo telemóvel               Nokia 6600-E-turbo intercolor com o número 943845208
   
Continuamos a nossa ronda pelas tenda e pelo pessoal da pesada:
Vamos até às Arnas; nem acredito... Gentes a fazer bicha, todos com o copo na mão, uns a beber, outros a encher o copo, mais outros já em discussão.
Bem não me agrada este ambiente; vamos para outro lugar mais diferente sem esta confusão de bichas de pessoal a abastecerem-se no tratol super diesel


 

Vamos é conversar uns momentinhos com os Azevedos de Escurqurela, que de certeza na tenda deles, vai tudo numa boa.
Não acredito...

Estão também perdidos, vá-lha-nos Deus, e é ao garrafão !!!!!

O quê? O Sr Isidro de Chosendo também; quem diria.

SOCORRO isto está tudo perdido ou sou eu que estou a ter visões.


 


Não vou desanimar, estou nos meus cinco sentidos, porra pá. Vamos é para um local limpinho onde só há doces e cavacas. A Alcina das cavacas.

Ai, Ai, socorro, estou mesmo com visões? A Alcina com a garrafa na mão? E ali à direita o Sr Carvalho a rir-se para mim, ou a rir-se de mim. Será que fui eu que bebi, e agora estou com delírios? Não pode ser; não pode ser.Não


 

Vou ao espaço do Granjal pedir ao Sr. Afonso uma reserva na sua carrinha para a Suiça.
O QUÊ? também a beber? e vai daqui a pouco de viagem para o Estrangeiro?
Inacreditável.

À direita um dos "Cucos e Malandros" também a emborrachar-se?
Há-de ir tocar bem...


 



Meu Deus estou doente; estou mesmo com visões...

Estou a ver um elemento da Banda de Ferreirim a entornar. Uma moçinha da Vila da Ponte toda bem apresentável com o copo na mão...

Tenho de ir ao Médico, estarei mesmo com visões?

 
Bem primeiro vou ter calma e desabafar com uma senhora de bem. Ora a esposa do GNR de Chosendo está lá ao fundo. É a ela que vou pedir ajuda,

Ai, ai, ai, também com o copo na mão; meu Deus valei-me. Ali mais à frente o Sr Manuel, pai de um
Padre e também na corrida para a pinga?

Estou delirante, ou será um campeonato de quem bebe mais? Se calhar...


 


 

Vou ter com a Luisa, a nova Presidenta da Junta de Freguesia de Vila da Ponte que prometeu que se ia portar bem, mas está lá ao fundo na tenda da Vila da Ponte.

No caminho eis que vejo um fulano, não sei donde a beber por um corno.
Chego ao pé da Luisa e esta em pleno deflagrante delito, com a garrafa e copo na mão.
Meu Deus, esta gente está toda a embebedar-se ou sou eu que estou delirante?
Bem resolvi ir-me embora, pois o meu cérebro e cerebelo já estavam muito confusos, e decidi ir imediatamente à BRUXA fazer uma consulta.
Ela lá me observou no seu consultório sinistro, apresentei-lhe o meu problema, escutou-me como os Médicos, fez magia e queimou uma poção mágica e eis o resultado:

- Afinal eu estava bom, mas nas notícias da manhã daquele terrível dia, e na televisão, transmitiram que o mundo ia acabar, um astro iria chocar com a Terra daqui a um milhão de anos e então, o pessoal da festa em pânico resolveu entrar em Transe com borracheira atrás de borracheira.

E foi mesmo verdade.

No dia seguinte no meu consultório todo o pessoal que viram nas imagens e muitos outros, apareceram-me com as características crises de figadeira.

Fiz umas massas valentes naquele dia, mas a bruxa exigiu-me o dinheiro todo, quando lhe telefonei no dia seguinte a contar o ocorrido, sob pena de me deitar um mau olhado e mal de inveja.

E eu bem tive de ceder.

Conclusão: não volto mais às Bruxas.
   

  Voltar